"Como ocorria em faladores Rosa Antuña assume um papel específico: além de dançar, canta e balbucia um idioma inventado - como um ser falador. A quem é dado um lugar diferenciado, à altura das ressonâncias e experimentações dos seus, digamos assim, canais de expressão.
Mais que bailarina, uma artista em plenitude" - Miguel Anunciação para o Hoje em Dia - Belo Horizonte

PRÓXIMAS APRESENTAÇÕES E WORKSHOPS

2015
* Belo Horizonte:
- 22 de setembro - CRModa - A Mulher que Cuspiu a Maçã - 19:30h (Cena-Música)
- 20 de agosto - CC Vila Santa Rita - A Mulher que cuspiu a Maçã - 19:00h (Cena-Música)
- 18 de agosto - CCJardim Guanabara - A Mulher que cuspiu a Maçã - 19:00h (Cena Música)
- 17 de julho - CRModa - A Mulher que Cuspiu a Maçã - 21:00h (Cena Música)
- 7 a 10 de maio - CCBB - A Mulher que Cuspiu a Maçã - ESTREIA NACIONAL

* Brasília
- 22, 23 e 24 de abril - Teatro da Caixa - Trilogia do Feminino

2014
* Holstebro, Dinamarca:
- 12 e 17 de dezembro - A Mulher que Cuspiu a Maçã, direção Roberta Carreri - (Núcleo de Criação Rosa Antuña) - Ensaio Aberto - work in progress - Odin Teatret

sábado, 29 de dezembro de 2012

Feliz Ano Novo

É... lá se vai 2012...
Mais um ano cheio de coisas que aconteceram... coisas boas e coisas ruins...
Para alguns foi um ano péssimo e para outros foi maravilhoso...

Mas a vida continua caminhando e construindo seu caminho e a humanidade engatinha até hoje... e a vida vai indo... como um rio profundo... e nós inúmeras vezes nos afogamos nesse rio da vida, ou temos medo de enfrentá-lo e ficamos à margem... vendo o rio da vida passar... outros atravessam o rio muito rápido. São aquelas pessoas cometa que vêm, fazem logo o que precisam fazer e vão embora daqui.

Meu ano foi lindo. Foi cansativo, mas foi muito rico em experiências de vida... Senti que cresci. Tive descobertas e reencontros lindos. Também tive desencontros. Faz parte da vida de quem está vivo. Ter desencontros.
Fortaleci amizades e fiz novos amigos. Isso é importante. Fazer novos amigos.

Amores e afetos? É... eles estão por aí...

Que venha 2013. Com luz, alegria, despertar... que brilhemos, que gargalhemos e que despertemos para algo maior na existência. Que estejamos prontos para receber frequências mais elevadas de luz e energia. Que tenhamos coragem para embarcarmos numa jornada de verdade, de queda das ilusões. Que tenhamos coragem de nos assumirmos em nossa essência... que tenhamos coragem de abrir nossos olhos e corações e mentes para algo novo em nossas vidas. Algo novo que traga luz e paz. Que possamos nos lembrar de quem somos. E cantarmos juntos e dançarmos uma dança que nos unirá ao universo e à nossa essência. Que resgatemos nossa origem. Cósmica. Pura. Leve. E absolutamente livre.

É hora de voltar para casa.

com amor,

Rosa


quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

E concluímos o Palco Giratório!

É... conseguimos!
Concluímos nossa tornée do Palco Giratório.
Foi, sem dúvida alguma, um momento muito especial para a Cia Mário Nascimento. E que bom que pude fazer parte disso...
Foi um período de grande aprendizado.
Tivemos momentos muito difíceis... é viajando que se conhece melhor as pessoas.
É numa viagem como esta, que somos testados para sentir realmente qual é a nossa vocação e para que viemos. É numa viagem como esta, que temos que nos olhar no nosso espelho e encarar a verdade sobre nós mesmos. É numa viagem como esta que descobrimos em que acreditamos realmente, qual é a nossa filosofia de vida e de arte... e é numa viagem como esta que descobrimos quem realmente esta conosco, quem está do nosso lado... descobrimos com quem podemos contar nos momentos difíceis e também com quem podemos compartilhar os momentos de alegria.

Ser profissional não significa (pelo menos não para nós, na Cia Mário Nascimento) apenas chegar em cena e ser extremamente eficiente... não significa apenas cumprir horários como se fôssemos robôs... não significa ser perfeito, não errar os passos, não cair... pelo contrário. Para nós, profissional é aquele que cai. É aquele que erra. É aquele que chora. É aquele que briga e luta. É aquele que sente, porque está vivo. Porque está presente. Porque interage com o mundo, com as pessoas, com o público... e reage diante das diferentes situações que surgem... profissional é aquele que tem os olhos brilhando, de vida, de presença, de curiosidade, de amor. Para nós, profissional é o artista que é verdadeiro com ele e conosco... e consequentemente o será com o público. Profissional é aquele que é movido por amor, e não apenas pelo dinheiro... porque fazemos arte. Precisamos do dinheiro. E ele será sempre bem-vindo.... mas se não houver amor... e mais ainda... se não houver paixão... como subir no palco com um trabalho como o nosso?

Por isso ficou conosco quem fez essa escolha. Ficou conosco quem está cheio de vida pulsante por dentro. Ficou conosco quem olha para os lados e dá bom dia, boa tarde e boa noite para os colegas, para os porteiros, motoristas, produtores, garçons, secretários, diretores... Ficou conosco quem está cheio de vida e amor por dentro. Ficou conosco quem tem luz para compartilhar.

E é de luz que é feita a arte que acreditamos. E a arte que acreditamos e reproduzimos em cena é apenas um retrato amplificado do que somos, do que vivemos, do que queremos criar para nós mesmos e compartilhar com o mundo...

Aprendemos muito com o palco giratório.
E aprendemos que o amor vence no final. Aprendemos que a verdade vem à tona. Aprendemos que somos incrivelmente fortes. E aprendemos que nossa força vem da vontade de viver que temos por dentro. Nossa força vem da integridade do nosso caráter. E isso ninguém tira.

Aprendemos a conhecer melhor as condições do nosso país e sua relação com a cultura.
Ficamos impressionados com a atuação do SESC em todo o Brasil, cumprindo uma função cultural e educativa incríveis, em lugares onde nunca imaginamos conhecer um dia, quanto menos ir dançar...
O SESC preenche uma lacuna na cultura e educação do país, sem sombra de dúvida.

Hoje olho para 2012 e sei que sempre me lembrarei desse ano como o ano do nosso Palco Giratório.
Foi muito bom! Tivemos momentos incríveis, experiências edificantes. Fizemos grandes amigos e parceiros que sei que serão para vida toda...
Tivemos encontros, reencontros e surpresas e presentes...

E o maior presente foi a certeza do que queremos fazer: arte.
A certeza do que estamos defendendo : a cultura.
E a força que nos move : amor.

Obrigada, Palco Giratório!

Que continue girando pelo mundo!

Com carinho e gratidão,

Rosa Antuña

Última apresentação em Salvador

Nossa última apresentação no Palco Giratório foi meu solo, Mulher Selvagem. Uma honra para mim poder fechar nossa tornée e ainda mais num lugar tão especial!
Foi ótimo. O público recebeu muito bem!

Em seguida teve apresentação do Grupo Grial, infelizmente não consegui assistir, mas todos que viram disseram que foi maravilhoso!

E depois vimos a apresentação do Côco de Arco Verde! Fiquei emocionada! Há muito tempo queria vê-los ao vivo... desde quando eu cantava côco num grupo aqui em BH, há muitos anos atraz...

Na platéia estava presente Bule Bule, importante artista da cultura popular da Bahia. Ele fez uma pequena participação e foi inesquecível vê-lo cantar...

Foi uma festa! Todos dançando muito... uma energia linda!

Parabéns a toda a equipe de Sesc Pelourinho!
agradecimento especial à Ana Paolilo, pelo carinho, pela dedicação e profissionalismo!

Esperamos voltar em breve!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Território Nu no Pelô

Ontem acordamos, tomamos café (e milagrosamente estou tomando café da manhã todos os dias!!! Não sei o que está acontecendo comigo!!!!!Céus!!!), descansamos,etc.
Fiz exercícios na piscina, porque estava com as pernas muito doloridas.
Almoçamos e fomos para o Pelô.

Chegamos lá e tinha um monte de turistas com a carinha boa, tirando fotos alegres e sorridentes.
Comprei um quadro de Yemanjá e outro de Oxum. Lindos.

De repente encontrei minha amiga Bel, com seu sobrinho Joaquim. Estavam indo pro Sesc ver o show para crianças que estava tendo lá. Fui pro teatro.

Tudo certo. A equipe foi maravilhosa! É tão bom trabalhar assim! Quando todos são prestativos, fazem o que precisam fazer, não enrolam... todos os teatros deveriam ter técnicos assim!

O espetáculo foi ótimo! A platéia estava cheia! Fomos muito bem recebidos! Dançamos com muito prazer. Nós adoramos Território Nu e fazia muito tempo que não o apresentávamos! A última vez foi em janeiro desse ano! E na verdade, esta foi a quinta apresentação desde a estréia dele no FID 2011, em outuibro do ano passado!
O espetáculo foi liso, o som foi ótimo!
Ficamos muito felizes!

Depois do espetáculo teve o show do Dão & Caravanablack. Foi simplesmente maravilhoso! A galera dançou muito! Sonzera! Bom demais!
Eu fiquei mais quieta, porque minhas pernas continuavam doendo muito, agora um pouco mais, depois do espetáculo. rs..

Fomos jantar. Comi de novo um bobó de camarão maravilhoso! Escândalo!!!

Hotel, banho e cama!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Poesia de Um Corpo

Na terça à noite fomos ao sesc Pelourinho para assistir a Attomos Cia de Dança (BA), mas chegando lá, ainda vimos um pouco da apresentação da Orquestra Brasileira de São Salvador! Foi lindo demais! Eles arrasaram! Dancei, rodei a baiana! Música boa é música boa! Músico é músico!

Terminada a apresentação na Arena, fomos para o Teatro.
O espetáculo foi lindo. Poético. Sincero. Despretensioso. Verdadeiro. Artistas maduros em cena. Fiquei muito emocionada de ver o Matias em cena. Ele foi uma estrela do Grupo Corpo. Um grande bailarino. E foi lindo vê-lo em cena novamente. E o Jofrey, e o Sóter... E parabéns ao jovem diretor Anderson Rodrigo!

Me emocionei.

Na quarta foi o dia do intercâmbio. Infelizmente não participei porque fiquei descansando no hotel. Fiquei de pernas para cima o dia todo.

Mas Mário disse que foi muito produtivo. A troca de experiências foi muito rica para ambos os grupos.



Arte-Integrada em Salvador

Na terça foi meu workshop de Arte-Integrada na sala de dança da UFBA.
A Tice é minha assistente. E uma ótima assistente, por sinal!

Foi maravilhoso! A turma super interessada e responderam muito bem às propostas dadas. Foi uma energia ótima. Fui muito bem recebida. Foram todos muito queridos!

Na sexta, dia 16 haverá mais um dia de oficina, de 14:00hs às 18:00hs, na sala de dança da UFBA.

E dia 15, quinta-feira, tem a apresentação de Território Nu, no Sesc Pelourinho.

Até lá!!!

Escapada no Pelô

Na segunda, às 19:00hs foi nossa última apresentação de Escapada do ano!!!!!

Foi uma platéia muito querida, havia muitos amigos lá! Gilsa, Bel, Jussara, Matias, Jofrey...
O espetáculo foi redondinho. O som foi ótimo. A equipe daqui foi ótima!

Curti o espetáculo. Ficamos um mês e meio sem apresentá-lo e... parece que me deu saudade! Dancei com vontatde. É bom sentir isso em cena! O grupo todo esteve muito bem! Foi gostoso!

O bate-papo foi legal. Falamos sobre o processo de criação do Mário, o treinamento que damos para o grupo, a manutenção da Cia, e como foi a montagem de Escapada.

Bem, jantamos num restaurante muito bom, Maria Maria é o nome. Comida caseira, atendimento ótimo e o lugar é super charmoso!

E... cama! Apaguei.

Encontro com Mirian Druwe

Mirian Druwe também estava hospedada aqui nesse hotel, com seu grupo. Todos muito queridos! Apresentaram Vila Tarsila, inspirado na obra de Tarsila do Amaral, é um espetáculo infantil que agrada às crianças e aos adultos. Mário viu e ficou encantado com o trabalho!

Mais tarde ficamos de papo no restaurante do hotel. E foi maravilhoso poder conhecer Mirian Druwe um pouquinho mais. Ela foi uma grande bailarina, uma estrela. E hoje dirige seu grupo, coreografa, dança, atua... Foi ótimo para mim ficar ouvindo Mário e ela relembrando aventuras com Sandro Borelli em São Paulo e outros casos engraçados do meio da dança...
E depois de muito papo percebi que a Mirian é assim... uma dessas pessoas que tem luz própria!

Domingo em Salvador

Domingo acordei a tempo de tomar café da manhã!
Adoro café da manhã de hotel, só que quase nunca eu conseguia acordar a tempo!
E o café daqui é ótimo!

Fui para a praia, lógico! Fui até o Farol da Barra e encontrei um cantinho do mar que era razo, manso e quente. Fiquei lá. Eu , bebês e criancinhas.

Mais tarde fomos almoçar num restaurante por aqui e comi um bobó de camarão... hum... o melhor da minha vida! Comi como uma glutona. E satisfeita, saí sorridente de volta para o hotel.

Fiquei na piscina, fiz um pouco de exercícios e descobri que a esquadrilha da fumaça iria se apresentar às 16:00hs! Fiquei esperando ansiosa1 Eu e centenas de pessoas que se aglomeraram por toda a Barra!

E de repente... todo mundo gritou! E apareceu o primeiro avião! E enquanto os via, escrevi isso:

" Eles estão nos dizendo: não tenham medo de voar. Vocês podem ser livres. Rompam as barreiras nos ares. Furem as nuvens da ignorância e sejam como nós: pássaros livres.
E eles nos fizeram olhar para o céu e nos lembraram que existem outros mundos além do nosso.
E eles voam livres como pássaros.
E voam na direção do Sol como seres mágicos, que vêm à Terra simplesmente para fazer-nos uma saudação... e quem sabe... até mesmo nos trazer notícias de outros mundos...
Que bom que são usados para brincar conosco nesse espetáculo tão lindo, e não para bombardear uma cidade!
Ah! Esses Artistas Pássaros do Céu... Obrigada por sua presença, por seu amor... Obrigada por me fazerem sentir como uma criança de novo, em inocência, em alegria...
Obrigada por me fazerem olhar para o céu... e obrigada por deixarem seu símbolo de amor no ar... e dentro de nós.
Nunca me senti tão "povo", no sentido de pertencente à massa...rs. E aguardando a volta desses super-heróis... e a Esquadrilha da Fumaça é uma espécie disso. Fico com a sensação de que de dentro dos aviões irão sair seres com super-poderes... Mas eles têm super-poderes! Para fazerem o que fazem...
Foi lindo. "

domingo

Consegui acordar a tempo de tomar café da manhã no domingo!
Adoro café da manhã de hotel!
Em seguida fui caminhar pela praia. Fui até o farol da Barra e achei um cantinho do mar igual a uma piscina. Raso, manso e quentinho. Assim que eu gosto. Então fiquei lá. Eu e os bebês e as criancinhas.

Chegada em Salvador

Chegamos aqui em Salvador no sábado, dia 10 de novembro. Fomos direto para o SESC Pelourinho e fomos recebidos pelo carinho da querida Ana Paolilo! Almoçamos lá mesmo uma comida baiana maravilhosa!!!! Foi bom porque aí já me acalmei, pois eu estava louca pra sentir um gostinho de dendê na boca!
Fomos então para o hotel, ótimo, por sinal! Fica na Barra, se chama Monte Pascoal e o atendimento é ótimo também! Uma cama enorme e já fui logo me espalhando e simplesmente desmaiei (havia dormido muito tarde na véspera, arrumando malas e acordei cedo pra pegar o vôo - Ah! Viemos de Trip e ela dá um lanchinho ótimo! O que é um milagre hohe em dia!!!). Minha colega de quarto é a Tice.
Dormi pesado e acordei em cima da hora para ir para o Sesc para ver o monólogo do Gregório Duvivier, com direção e texto de João Falcão: "Uma Noite na Lua".
Houve primeiramente um coquetel com caldinhos deliciosos! Adoro essa parte da comida nessas viagens...

O teatro estava lotado e a peça foi simplesmente maravilhosa!
Fiquei absolutamente encantada e seduzida pelo texto e pela atuação do Gregório.
Eu e Mário tivemos o prazer de parabenizar os dois: Gregório e o próprio João Falcão, que estava lá fazendo a luz.

Após a peça começou o show com BaianaSystem na Arena do Sesc. Foi muito bom! Estava cheio, um astral ótimo! O Pelourinho estava cheio de gente! Foi um agito maravilhoso!!

Me reencontrei com minha querida amiga Bel, que mora aqui há anos e voltamos para o Hotel.
Dormi divinamente.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Palco Giratório em Salvador

E finalmente, após um mês e meio em Belo Horizonte, retomamos o Palco Giratório já em etapa final! Dia 10 de novembro viemos para Salvador.

Adoro vir para Bahia!
Parece que aqui os Orixás ficam mais perto de nós.
A Bahia é o coração do Brasil, em calor, em amor, em alegria...
As pessoas daqui têm um sotaque doce, carinhoso, divertido.

E... se uma mulher estiver precisando levantar a auto-estima basta vir para cá! Nunca recebi tantas "cantadas" em tão poucos passos que dei ali pelo Farol da Barra!

E acho curioso a contradição que é Salvador. Alegria e miséria. Amor e violência. Prosperidade e abandono. O que mantém Salvador viva e pulsante é a vontade de viver das pessoas daqui. A política, a polícia, os ricos... os coronéis... estes não fazem nada. Fingem que não veem nada... e a miséria, o craque, o abandono... estão aí, gritando por socorro.

As pessoas vivem. Sobrevivem. E tiram sua força do tambor que traz o vigor ancestral que alimenta a todos aqui. As pessoas se purificam através da dança, da música, da arte... Me pergunto até que ponto tudo isso é apenas "pão e circo" e até que ponto isso é necessário para que os baianos tenham força para continuar vivendo.

E ainda tem o crescimento assustador dos evangélicos por aqui. Chegaram ao ponto de tentar tirar as estátuas dos Orixás que ficam no lago Tororó! Tristeza...

Salvador é uma cidade de inúmeras realidades paralelas. É difícil defini-la. Ela é multifacetada.

Escolho vê-la por olhos de amor e cor. Por isso vejo-a pulsante. Quente. Viva. Forte. Salvador vem dos ancestrais africanos. Salvador é negra. Salvador é som e dança. É canto. Salvador é comida temperada, é bom humor. E Salvador luta por sua dignidade apesar das forças contrárias...

Que os Orixás estejam sempre com ela. Trazendo luz e consciência para o seu povo. E que esse Axé se expanda por todo o país. Que haja consciência. que haja igiualdade. Que haja justiça. Que haja respeito em nossa nação.

domingo, 7 de outubro de 2012

A certeza do incerto...

Precisamos da certeza para convencer.
Precisamos da certeza para atuar.
Precisamos da certeza para dançar a nossa vida.
Precisamos da certeza para dizer o que precisa ser dito.
precisamos da certeza para acreditar...

mas o desafio vem... da certeza de que tudo é incerto...
da certeza de que não saberemos de nada nunca...
 da certeza de não sabermos até onde chegaremos com isso...

... com essa dança...
temos a certeza de que podemos contar com muito pouco...
temos a certeza de que jamais saberemos do nosso futuro...
temos a certeza do incerto em nossas vidas.
do dinheiro incerto.
do patrocínio incerto.
do público incerto.
do empresário esperto.
da cultura esdrúxula.
das leis injustas.
da dificuldade para construir arte nesse país.

essa é a minha certeza
de que para se jogar desse precipício
precisamos estar cientes,
desde o início
do quanto precisamos disso
para continuar vivendo
eu disse vivendo...
não apenas pagando as contas...
pois com isso não se pode contar muito...
mas para se jogar do precipício certo
é preciso lembrar que o incerto permanecerá em nossas vidas

Mas para fazer o vôo
precisamos ter a certeza de que estamos vivos
 e que morreríamos sim,
se não fizéssemos isso.

E durante o vôo para o abismo...
encontramos outros pássaros loucos,
completamente sãos da sua certeza e ofício
e por segundos, nossas lágrimas se cruzam,
se derramam, se reconhecem
e isso nos dá força.
Para continuar voando pelo abismo
e construindo a nossa vida
Vida certa de incertezas
Vida linda e "introcável".
Vida que uma vez escolhida não tem retorno.
Vida que abre os seus olhos.
Vida que te faz ver melhor.
 Vida que te faz
Dançar.
Dançar.
E dançar.

Com toda a certeza,
que apesar do incerto do mundo,
estamos certos dentro de nós.
Estamos certos com a dança que habita em nós
 e nos torna
grandes pássaros livres.

Rosa Antuña

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Neo Pilates!

Studios Andréa Mourão - Neo Pilates

É aqui que eu faço Pilates: Studios Andréa Mourão!


















Studios Andréa Mourão - Neo Pilates
Av Bandeirantes, 1689 - Mangabeiras - (31) 3227-0986
Rua Turfa, 865 - Prado - (31) 3292-5736 - Belo Horizonte

Fotos: Marcelo Pinheiro
Modelo : Rosa Antuña

domingo, 30 de setembro de 2012

O casamento com a Dança

É um conflito.
Uma contradição.
Uma necessidade.

Todo coreógrafo de grupo, para consolidar sua linguagem, precisa ter um elenco que fique com ele por muitos anos para que haja realmente uma apropriaçãoda movimentação, um amadurecimento artístico e domínio e desenvolvimento da linguagem proposta.
E quando os artistas chegam nesse nível de excelência o que acontece? Saem do grupo e vão para outro. Entram novos bailarinos no lugar e começa-se tudo outra vez. Só que dessa vez os bailarinos ficam ainda menos tempo e já saem. E vem uma nova leva.

E por aí vai... os coreógrafos sempre recomeçando... e o trabalho para crescer mais precisa de tempo e de maturidade. Estamos falando de obras de arte e não apenas de mero entretenimento. Existem companhias que precisam de bailarinos muito técnicos e eficientes, que aprendem as coreografias rápido, executam tudo muito bem...para essas é um pouco menos pior... mas para os coreógrafos que constroem uma linguagem ao longo da vida essa mudança toda é muito difícil.

E acredito que para o bailarino isso também não seja bom, pois ele também precisa de tempo para se apropriar, amadurecer uma linguagem em seu corpo e então desfrutar disso, dançando com mais domínio e aprofundamento. Mas os bailarinos interrompem  esse processo deles mesmos... uma pena. Pois isso enfraquece a dança. Isso enfraquece a formação e experiência desses bailarinos... vai ficando tudo mais superficial...

Mesmo para as grandes companhias de dança, onde há mais praticidade nas trocas de elenco, pois basta encontrar outro bailarino eficiente e com boa técnica, mesmo nessas cias é complicado... pois se um elenco fica mais tempo junto, a cia acaba criando "uma cara", o que é positivo. Cria-se uma identidade. E quando a rotatividade é intensa demais, isso dificulta a criação dessa identidade.

Trabalhar em uma cia de dança é um casamento. Pode chegar um momento onde perdemos a paixão, o tesão... e então podemos "terminar" e em ir em busca de outra cia... ou podemos ter "amantes"! Para isso é melhor que seja um relacionamento abertop e tudo seja conversado, ou seja, paralelamente ao seu trabalho com determinada cia, você pode começar a desenvolver uma carreira solo, coreografar ou dar aulas para outros grupos ou escolas, fazer projetos com outras parcerias... mas isso tem a hora certa de acontecer. E não será igual para todos. Outros terão outros interesses como fazer uma faculdade, estudar idiomas, música, etc. E também é importante que tudo seja conversado e transparente para que não seja criado nenhum mal estar ou conflito e é claro, como no casamento, que existe uma prioridade: o cônjuge!
Também para o coreógrafo isso precisa acontecer. É importante que ele viaje para se reciclar, trabalhe com outros grupos e artistas, pois isso o renovará para voltar e trabalhar com seu próprio elenco! Todas as experiências adquiridas fora, serão ricas para serem trocadas nesse "casamento"! Por que não? Sim... aplico aqui a filosofia do Osho...

É muito difícil manter grupos e acredito que isso está ficando cada vez mais difícil. Na maioria das carreiras, quando o profissional chega aos seus 35, 40 anos de idade, se ele tiver um excelente currículo, com cursos de especialização, se for extremamente competente, ele será promovido e isso significa que ganhará mais dibheiro. Ele será "ocidentalmente" reconhecido pela sua competência, ganhando mais dinheiro.

Na dança isso não acontece, pois os projetos nivelam todos por baixo. Jovens iniciantes, amadores e profissionais... e são pouquíssimas as cias de dança que têm condições de pagar um salário melhor para os bailarinos. Acho que isso também interfere  muito nessa alta rotatividade do elenco. Quando um bailarino vai chegando nos 30 anos, vai sendo tomado por um desespero ao pensar: " o que farei quando parar de dançar?". Pois não existe aposentadoria para bailarino, muito menos se você vive de projetos. Os salários não melhoram ao longo da sua carreira. E aí? E então que esses bailarinos procuram ir para grandes cias de dança que pagam melhor e dão prestígio, mesmo se eles não gostarem do tipo de trabalho que é feito nelas. Pronto. Eis o problema. É claro que muitos bailarinos gostam da sua grande cia e do trabalho. Mas outros estão apenas pela aparente estabilidade financeira, o que é muito triste em se tratando de arte. Todas as cias de dança precisam de um elenco apaixonado que acredite no trabalho, na proposta, no coreógrafo... estamos falando de ARTE, não de burocracia... isso me entristece um pouco... pois se já sabemos da realidade da falta de respeito com nosso trabalho hoje, ou você vai com tudo e se arrisca e assume esses riscos... ou você faz um concurso público e aí vai mesmo ganhar dinheiro.

Se todas as cias de dança, grandes e pequenas tivessem um bom salário... isso já ajudaria muito, pois se todos ganhassem bem, os bailarinos procurariam os grupos com os quais realmente se identificassem e isso faria com que a qualidade dos trabalhos fosse ainda melhor e que bailarinos conseguissem manter viva a sua chama como artistas!

Precisamos sim, de mais respeito nesse país para com a nossa classe, mas nós devemos primeiramente este respeito a nós mesmos e ao nosso trabalho. Para que escolhemos dançar? Se escolhemos isso, então vamos até o fim. Dancemos. E dancemos com técnica, com estudo, com treinamento, com qualidade, com filosofia, com ideologia, com prazer, com o coração e com a alma. Dancemos inteiros. Pois a dança precisa de artistas inteiros. A dança é inteira.

Os coreógrafos se encantarão por aqueles, que, mais do que bailarinos, forem ARTISTAS. Os coreógrafos se apaixonarão por aqueles que se entregarem para eles. Os coreógrafos se inspirarão por aqueles que se apropriarem da sua proposta e a transformarem em um diamante. É primoroso ser intérprete e ser dirigido. Essa mania de todos quererem se dirigir virou uma grande bagunça. Os jovens precisam aprender. Precisam de formação. Precisam de experiência e precisam de tempo de amadurecimento.

Participamos de uma grande engrenagem. E cada um de nós é fundamentalnela. Precusamos fazer a parte que nos cabe. Todos juntos moveremos A DANÇA. É preciso que haja bailarinos que decorem coreografias rápido, é preciso de bailarinos improvisadores, é preciso de coreógrafos, pesquisadores, acadêmicos, críticos, profesores, grupos pequenos, grupos enormes... todos somos importantes e necessários para servir à dança. E conscientes da nossa importância e do nosso papel poderemos conquistar melhores condições de trabalho para nós.

Não acho que este seja um assunto que chegará a uma conclusão em um simples texto. É sim um assunto bastante complexo, mas que pede a nossa atenção como classe da dança. Pede a nossa reflexão em prol da dança e da sua evolução tanto artística, quanto estrutural, política, social e econômica.

Danço. Logo existo!

Rosa Antuña

sábado, 29 de setembro de 2012

ESTATÍSTICAS 2012

* OFICINA DE ARTE-INTEGRADA :
- 13 oficinas (Palco Giratório SESC, Petrobras e FIT Dourados)
- 11 cidades : Rio de Janeiro, Aracaju, São Luis do Maranhão, Curitiba, Porto Alegre, Maceió, Campo Grande, Dourados, Cuiabá, Florianópolis, Salvador
- 10 estados : RJ, SE, MA, PR, RS, AL, MS, MT, SC, BA

* MULHER SELVAGEM :
- 3 apresentações ( Diversidade em dança, FIT Dourados e Palco Giratório SESC)
- 3 cidades : Viçosa, Dourados, Salvador
- 3 estados : MG, MS, BA

* PARADA 7 :
- 7 apresentações ( Horizontes Urbanos patrocínio VIVO en Cena )
- 3 cidades : Belo Horizonte, Manaus, Boa Vista
- 3 estados : MG, MS, BA

* TERRITÓRIO NU :
- 4 apresentações ( Verão Arte Contemporânea, Palco Giratório SESC)
- 2 cidades : Belo Horizonte, Salvador
- 2 estados : MG, BA

* FALADORES :
- 21 apresentações ( Petrobras, Palco Giratório SESC)
- 16 cidades : Sete Lagoas, Mariana, Rio de Janeiro, Fortaleza, João Pessoa, Caruaru, Triunfo, Juazeiro, Recife, Porto Alegre, Brasília, Campo Grande, Boa Vista, Cuiabá, Ouro Preto, Paraty
- 11 estados : MG, RJ, CE, PA, PE, RS, DF, MS, RR, MT, BA

* ESCAPADA :
- 29 apresentações ( Palco Giratório, Diversidade em Dança)
- 25 cidades : Fortaleza, João Pessoa, Mossoró, Caicó, Natal, Caruaru, Garanhuns, Juazeiro, Aracaju, Recife, Vitória, Rio de Janeiro, Campo Grande, Dourados, Cuiabá, Porto Alegre, Viçosa, Belo Horizonte, São Paulo, Curitiba, maceió, Boa Vista, Porto Velho, Florianópolis, Salvador
- 18 estados : CE, PA, RN, PE, BA, SE, ES, RJ, MS, MT, RS, MG, SP, PR, AL, RR, RO, SC

* EM 2012 FIZEMOS :
- 64 apresentações
- 32 cidades
- 20 estados brasileiros - Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Alagoas, Roraima, Rondônia, Santa Catarina, Distrito Federal e Amazonas

*  ESTE ANO NOS APRESENTAMOS PELOS SEGUINTES PATROCINADORES, PRÊMIOS E FESTIVAIS:

- PETROBRAS
- PALCO GIRATÓRIO SESC
- HORIZONTES URBANOS - VIVO EN CENA
- VERÃO ARTE CONTEMPORÂNEA (Belo Horizonte, MG)
- FIT DOURADOS festival internacional de teatro
- DIVERSIDADE EM DANÇA (Viçosa, MG)

terça-feira, 25 de setembro de 2012

total de apresentações até hoje

Hoje apresentaremos Escapada em Floripa.
Só este ano já nos apresentamos contando com hoje, em 29 cidades, em 17 estados diferentes (incluindo PALCO GIRATÓRIO, PETROBRAS, VIVO e festivais) :

Escapada - 29 apresentações

Faladores - 18 apresentações

Parada 7 - 7 apresentações

Território Nu - 3 apresentações

Mulher Selvagem - 2 apresentações

TOTAL de apresentações - 59 espetáculos (em 9 meses)

ADORO LISTAS!!!!

Pensar é existir

Acabei de assistir em meu computador o filme "The Soul Keeper" (Jornada da Alma).
Conta a história de Sabine Spielrein. Sua relação com Jung, seu tratamento, sua ideologia...

Maravilhoso...

É impressionante como desaprendemos a pensar... Como fomos reprimidos durante séculos... Montes e montes de ditadores pelo planeta dominando, dizendo o que é certo e o que é errado... proibindo-nos de pensar... e até hoje vemos isso...

Até hoje as pessoas têm medo das novas idéias... têm medo de dizer o que pensam... trazemos no Brasil, as marcas da nossa ditadura até hoje... e o mais triste foi o "desaprendimento" de pensar. Isso se deu pelo medo... mas depois do medo veio a inércia que nos manteve mentalmente estagnados... somos dotados aqui no Brasil de uma preguiça mental absurda!!! E de um descompromisso conosco e com a nossa vida... pois se é outro que pensa por nós, então não teremos culpa das nossas escolhas... e melhor ainda, poderemos jogar a culpa no outro!

Povo passivo e mentalmente preguiçoso... resquício da ditadura...
ainda é tempo de mudar isso. Sempre é tempo.

PENSE E EXISTA.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Chegando em Floripa! - palco Giratório

E já estamos em Florianópolis!
Voamos de Cuiabá para Londrina, de Londrina para Curitiba. Foi aí. Foi aí que o avião balançou para caramba! Eu sempre tive pavor de avião! Já sofria por antecedência quatro dias antes de fazer uma viagem! Este ano isso melhorou um pouco. Graças à cura quântica que me ajudou a ter um insigth magnífico!!!! Depois eu conto isso...

Meu medo de avião melhorou muito e não sofro mais por antecedência.
MAS SOFRO NA HORA NA TURBULÊNCIA!!!!!!!!!!!!!
Isso não tem jeito! Entro em pânico, já fico achando que tudo vai piorar, o avião vai cair mesmo, e então sou acometida por um profundo acesso de bondade. Isso mesmo. Fico boa. Torno-me uma pessoa boa e abnegada. Perdôo a todos os meus ex namorados "por seus crimes contra mim", perdôo a maldade do mundo, perdôo a mim mesma e compreendo uma série de momentos difíceis pelos quais passei... perdôo pessoas traidoras e sinto dentro de mim uma bondade imensa. Pronto. Posso morrer em paz.
E a turbulência passa. E a minha bondade também.
Volto a sentir mágoa por todos os meus ex namorados e pelos "crimes que cometeram contra mim", volto a detestar as pessoas traidoras, me revoltar contar a maldade do mundo... ou seja, VOLTO AO NORMAL.

E foi assim, normal, que desci do avião de Curitiba e fui com meus colegas esperar nossa conexão para Floripa. Atrasou uma hora, pois havia neblina na pista de Curitiba, mas conseguimos decolar.

No primeiro banco do avião havia uma menininha bonitinha de seis anos viajando sozinha.

Chegamos bem. O vôo foi ótimo. Graças!!!

Em Cuiabá, pela segunda vez, no Palco Giratório

Chegamos em Cuiabá naquele calor costumeiro! Pela segunda vez, pois já havíamos apresentado Escapada no primeiro semestre. Agora ficaríamos mais dias, para dar oficinas e apresentar Faladores também.

Já no aeroporto conheci a Cristina Fonseca, que é documentarista, diretora, roteirista... e ela estava lá para dar um curso sobre documentário no Sesc. Uma pessoa linda!!! Muito querida!!! Ficou no mesmo hotel que a gente.

O motorista da van, Ivan, de uma gentileza e educação admiráveis! Ah... Se todos fossem assim...
Quem nos recebeu foi novamente a Luaid. Ela é ótima!

Fiquei direto no hotel. Só saí pra ir almoçar, dar minha oficina e dançar! Estava muito cansada. E fazia muito calor.
Continuei vendo desenhos animados sem parar.

Mário sim, teve outro momento muito especial, pois se reencontrou com outras pessoas da família que não via há mais de 30 anos! Emocionante... presentes do Palco Giratório...

Bem, nas oficinas foram poucos alunos. Na minha só foram seis, mas muito interessados. Foi ótimo.

Apresentamos Escapada e Faladores. Tivemos um público relativamente bom. E fomos muito bem recebidos. O bate-papo com a platéia foi ótimo, após o espetáculo.

Ah! E no dia de Faladores havia um festival de comidas típicas lá no Sesc! Ótimo! E várias barraquinhas com comidinhas gostosas e coisinhas lindas e típicas para vender. Confesso que comprei uns mimos... rs.

Chegado o dia da partida... partimos para Florianópolis. Foi bom, pois o vôo saiu à tarde e assim conseguimos descansar e nos prepara com calma para mais essa viagem!

sábado, 22 de setembro de 2012

Fotos em Estúdio coleção Juliana Porfírio













Estilista: Juliana Porfírio
Fotógrafos: Leandro Couri e Mariela Guimarães
Modelo: Rosa Antuña

Fotos coleção Juliana Porfírio - Moeda










Fotos da coleção de Juliana Porfírio 
Estilista: Juliana Porfírio
Fotógrafa: Mariela Guimarães
Modelo : Rosa Antuña
Making Off : Duda Las Casas
Local: Moeda, MG

Making off - Coleção Juliana Porfírio - Moeda

Estilista : Juliana Porfírio
Fotógrafa : Mariela Guimarães
Modelo : Rosa Antuña
Making Off: Duda Las Casas

fotos : Duda Las Casas
Mariela Guimarães

Juliana Porfírio








quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Por que a raiva sofre bulling?

Eu queria saber o porquê.
Por que a raiva sofre bulling?

Quando sentimos amor, dizemos palavras de carinho, pegamos na mão, sorrimos...
Quando sentimos tristeza, choramos, dizemos palavras tristes, depressivas...
Quando sentimos desejo, nos insinuamos, dizemos palavras sedutoras...
Quando estamos alegres, gargalhamos, comemoramos, pulamos de alegria...

Mas quando estamos com raiva... a sociedade quer que digamos palavras de carinho, quer que choremos, que digamos palavras sedutoras e que pulemos de alegria!

Como assim?

Isso é bulling!!! Estão fazendo bulling com a raiva!!!
Então chega um dia em que a pessoa com a raiva profundamente reprimida pega uma metralhadora e mata todo mundo! É isso o que acontece, dona sociedade hipócrita.

Podemos expressar tudo, mas a raiva não.
Por isso, engula a sua raiva e cague-a.
E àqueles que não conseguirem digeri-la, vomitem-na.

Mas por favor, sejam bonzinhos.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Crítica Escapada - Porto Velho, por Analton Alves

DIÁRIO DA AMAZÔNIA – Porto Velho, RO – segunda-feira, 17 de setembro de 2012


“Espetáculo de dança sensibiliza público no Teatro Um do Sesc e promove sensação psicodélica”- por Analton Alves

A impossibilidade de uma avaliação estética referenciável não moveu a apresentação de “Escapada”para nenhum outro lugar , se não, para dentro do âmbito dos grandes espetáculos. É certo que Porto Velho tem carências indeléveis para o aconchego das conveniências culturais, Mas o Teatro Um do SESC tem sido a ponta inicial de todas as nossas implementações artísticas. Todos os que estiveram lá, na noite de sábado, para prestigiar a Cia Mário Nascimento, com Escapada, foram tocados pela força dos movimentos artísticos de dançarinos para lá de ajustados.

Uma mistura, em Escapada, da polivalência cultural brasileira e o revigoramento de uma tendência contemporânea dentro da própria apropriação artística. Se não, beliscando a antiguidade, onde a estética do belo, com Aristóteles e Platão, se expande, em nosso moderno com respostas afirmativas, Um evento assintomático, de força e de características forjadas no cotidiano.

O público porto-velhense que prestigiou Escapada mostrou-se extasiado com a performance de dançarinos que também se comportaram como músicos e atores. Certo é que a trilha percorrida no palco deixou uma sensação forte de apontamento para o melodrama. Indefinível e incorrigível, o espetáculo é, assim, por ele mesmo, uma denominaçãp “estranha”que compões com o visível, sonoro e sentimental. Apropriado para o movimento das combinações sensoriais, também festeja as inquietações humanas dentro de um cotidiano enclausurador. Homens com suas malas buscando lugares e retornando sempre para o mesmo ponto de partida. Pêndulos, chaves e mordaças segurando e sendo seguros pelos limites, possibilidades e padrões morais.

OUTROS PONTOS

E, ainda tem a música. Uma trilha sonora que compõe com o belo intangível. Ocupando os espaços que os homens deixam com seus vazios. Uma espécie de poesia em palco na performance dos atores. E, ainda tem o cômico. Por alguns instantes algumas pinceladas que provocaram boas gargalhadas. A assistente de direção e coreografia, Rosa Antuña, descreveu bem sobre a proposta destacando o potencial combinado dos próprios integrantes da Companhia. Para ela, neste ponto reside o diferencial que compactua com as sutilezas cômicas. Não se trata do acidental. E sim, improviso como janela para a interação, compartilhamento com o público presente.

Outros pontos relevantes, também construídos e ambientados para dar forma à temática assumida pelo espetáculo, povoaram bem distribuídos os momentos de clímax. O enredo, não determinado, também mostrou a oscilação entre alegria e tristeza das vidas que percorrem a rotina diária nas cidades grandes. Assim como descreve o próprio Mário Nascimento, diretor.

www.diariodaamazonia.com.br

Em Porto Velho - Palco Giratório

Chegamos em Porto Velho. Pedimos comida chinesa no hotel.
Fui dormir às três da madrugada. Aliás, nessas tornées é este meu horário de dormir: de três da manhã à uma da tarde. Fico no computador até altas horas e fico vendo desenhos animados enquanto isso... Adoro o desenho do Garfield. E depois passa o desenho do Chaves (não é tão bom quanto o seriado com pessoas, mas é bem bonitinho!).... mas a Chiquinha não está... Por quê? Quero a Chiquinha na turma! Até o Jaiminho está lá desenhadinho, evitando a fadiga... pôxa... Também adoro o Perna-Longa e mais ainda o Patolino! Às vezes passa Scooby Doo. Também gosto. E a Pantera Cor de Rosa então? Amo!!!

Adoro a noite. Mas assim, tranquila no meu quarto, escrevendo, vendo meus desenhos, lendo, relaxando ou estudando, é o horário em que melhor produzo...

Bem, eu estava cansada e fiquei no meu quarto o dia inteiro! Ah! E às 9:00hs começaram a soltar fogeites que pareciam sair do meu quarto!!! Alguma maldita campanha política começou cedo e muito animada naquele sábado de manhã! Como eu odeio isso!!!! Porque não fazem essa algazarra depois do meio-dia???? Fico revoltada! Depois que aqueles vândalos histéricos passaram, voltei a dormir(demoraram uma hora para sair de frente do hotel!).
E então à tarde ouvi um estrondo como há muito tempo não ouvia!!! Os foguetes políticos da manhã não foram nada perto desse barulho1 Foi um trovão tropical! Enviado diretamente por THOR!!!! Pois foi o trovão mais poderoso que já ouvi! E caiu uma linda tempestade ali em Porto Velho!
E por causa da tempestade caiu a Tv a cabo. Então Vi TV XUXA!!!!rsrsrsr... mais para o final da tarde pude voltar para os meus desenhos animados.


Escapada foi maravilhoso! (aquelas que se auto-elogiam... rsrsrs). mas foi. Porque foi diferente! Lá era uma semi-arena. E foi muito legal dançar assim. Além disso, o palco era perterrésimo da platéia e conseguimos criar uma intimidade tão boa com o público... e aliás, que público! Lotado! Nos dois dias(o segundo dia foi Faladores). Pessoas interssadas, sensíveis, inteligentes... é a típica platéia com talento! O bate-papo nos dois dias também foi ótimo!
As pessoas disseram que esperam o ano todo pelo Festival palco Giratório. Que é o único período do ano que vai mais coisa boa para lá. Reclamaram que Porto Velho precisa de mais incentivo para a Cultura, de mais grupos indo, se apresentando, dando cursos...
E achei lindo, pois lá as pessoas vão. Muita gente ficou para fora do teatro!

Não tive tempo de conhecer nada da cidade, mas será dessa platéia maravilhosa que vou me lembrar com carinho, cada vez que eu pensar em Porto Velho!



Há Males que vêm para Bem...

No aeroporto de Boa Vista fizemos o check-in na TAM com destino a Porto Velho. Recebemos as passagens. O vôo iria  sair às 16:30hs para Manaus, onde ficaríamos no avião e em seguida ele iria para Brasília, onde desceríamos. E então pegaríamos um vôo de Brasília de volta a Porto Velho só às 23:00hs! Ok.Chegaríamos à uma e meia da madrugada. Seria muito cansativo...

Mas o que realmente aconteceu foi um grande mistério... digno de Sherlock Holmes...

Estávamos todos já sentadinhos em nossos lugares dentro do avião. Esperávamos apenas que fechassem as portas e que o piloto dissesse: "atenção tripulação, preparar para decolagem!". Mas não foi o que aconteceu.

De repente, disseram ao microfone para que todos aqueles que iriam para Porto Velho se apresentassem, com seus cartões de embarque em mãos. Foi quando surgiu um fincionário gago e trêmulo, que arrancou nossos cartões de embarque de nossas mãos e nos deu outros... dizendo que como o nosso vôo estava atrasado, perderíamos nossa conexão em Manaus!

* Não tínhamos conexão em Manaus (permaneceríamos no mesmo avião e apenas trocaríamos em Brasília. (isso de acordo com o primeiro bilhete que nos deram no guichê, então não tinha como perder o vôo de Manaus, se já estávamos no avião correto).

Só que no bilhete novo que nos foi dado, nossos dados foram alterados: eu já estava sentada naquele avião na poltrona 26 E. E no ticket novo meu acento era 12 A!!!!! Achei estranho... e aí sim, no ticket novo estava escrito que deveríamos pegar outro avião em Manaus com destino à Brasília, mas esse vôo sairia bem antes da gente conseguir chegar lá (então jamais poderiam nos colocar naquela conexão, pois nunca daria tempo - não estávamos atrasados, pouca coisa, talvez!).

agora vem o pior: o tal do homem trêmulo e gago, simplesmente arrancou nossos bilhetees das nossas mãos, nos deu outros, dizendo apenas que deveríamos pegar outro vôo, já que perderíamos a conexão. E ele foi indo embora! Mas eu, como uma mulhere loura e perspicaz que sou, vi que o próximo vôo que pegaríamos que faria Brasília e Porto Velho, seria somente no dia seguinte, dia 15 de setembro!!!!! E às 20:00hs da noite! Como assim? No dia 15, às 20:00hs deveríamos estar no Teatro do SESC de Porto Velho apresentando Escapada!!! Corri atraz do gago e disse a ele que não poderíamos embarcar noutro dia e sim no mesmo dia, o dia 14. Ele gaghejou mais. Esbugalhou os olhos. Suas lentes dos óculos ficaram ligeiramente embaçadas. Ele disse : "Sim, sim! Eu vou passar um e-mail para Manaus e dizer que vocês não poderão ficar e que precisam embarcar ainda hoje!". E eu: "eu quero uma confirmação, não um talvez."Ele tremeu mais. Essa conversa, foi no meio do corredor do avião, com todos os outros passageiros ouvindo em alto e bom tom tudo o que estava acontecendo!

Bem... de repente, nós, a Cia Mário Nascimento, fomos tomados pela "burrice magnética" e deixamos o gago trêmulo de óculos embaçados ir embora. Eu estava quase dando um calmante para ele.

Chegamos em Manus e nos obrigaram a descer do avião. Descemos contrariados, as comissárias (umas fofas!!!) nos desejando boa sorte, os colegas de vôo também, todos mundo do avião já sabia que estávamos em tournée, ficaram preocupados com o que iria ser feito de nós... "talvez não voltássemos nunca mais..."

Chegamos no guichê e a equipe estava uma gracinha! Todos prontinhos, com nossos vauchers de alimentação em mãos e prontos para nos enviar para um hotel, para que embarcássemos no outro dia às 20:00hs! Que fofura... isso porque nosso amigo gago e trêmulo mandou sim um e-mail à equipe de Manaus, mas um e-mail dizendo que estávamos cientes da sitiuação, que havíamso CONCORDADO e que estava tudo bem!!!!! Que gracinha... que mimoso... que chchu!

Após certa confusão... pois a princípio foram taxativos ao nos dizerem que não havia nenhuma possibilidade de viajarmos ainda naquele belo e agradável e inesquecível dia 14 de setembro... bem, após esta certa confusão... resolveram conferir melhor as coisas, chamaram seus superiores e então, milagrosamente Cristo deve ter se manifestado e fez a multiplicação dos vôos! Que bênção! Aleluia irmãos! Que gracinha! Oh! Fiquei impressionada! E então nos colocaram no vôo da TRIP ainda no dia 14, às 20:00hs. Nos deram vaucher para um lanche. E agora o melhor: O VÔO ERA DIRETO PARA PORTO VELHO!!!!! Rapidinho!!!

É... sem dúvida... há males que vêm para bem!!!!

PARADA 7 em Boa Vista


Ainda em Boa Vista, no dia 12 de setembro, fizemos duas apresentações de PARADA 7, pela VIVO, através do evento Horizontes Urbanos: às 11:00hs e às 16:30hs. Participei apenas da apresentação à tarde. Um calor de 44 graus!!!!!!!

A apresentação foi ótima. As pessoas todas muito educadas. Receberam muito bem a nossa performance!




Jackie

Tice

domingo, 16 de setembro de 2012

Em Boa Vista

Saímos de BH no dia 10 às 20:00hs. Chegamos em SP e pegamos o vôo para Boa Vista às 23:00hs. Ele fez uma escala em Manaus e depois foi para Boa Vista. Chegamos às 4 horas da manhã do dia 11. Bem cansativo pois nosso espetáculo seria naquela noite às 20:00hs.

Fomos para o hotel e mesmo sendo de madrugada fazia muito calor.

Acordei às 13:00hs da tarde. Almoçamos no hotel.
Fiquei na piscina à tarde, maravilhosa! O fato de ter piscina nos hotéis para nós é mais do que um luxo. É uma questão de recuperação muscular e treinamento. O que me ajudou a me recuperar da noite em claro, para poder dançar naquela mesma noite, foi o fato de eu ir para piscina fazer meus exercícios.
A piscina me deixa com meu tônus muscular ativado e equilibrado. E faz bem para todos do elenco, alguns para relaxar a musculatura, outros para se exercitar.

O mais cansativo nas viagens é o deslocamento de um lugar ao outro. Por isso noites sem dormir devem ser evitadas, pois o corpo demorar para se recuperar disso. E também é importante buscar vôos mais diretos para reduzir as horas de viagem. Piscina é fundamental para bailarinos. Sempre. Previne lesões e ajuda a recuperar o corpo. Além disso, acalma, pois o contato com a água equilibra nosso aspecto emocional. Todo bailarino também precisa dormir bem e comer bem (comidas saudáveis). É claro que cada organismo tem uma especificidade alimentar, mas de maneira geral, precisamos sempre de comida (e não de sanduiches, snacks, essas coisas). E o tempo de descanso é parte do treinamento. Os bailarinos precisam descansar o corpo para uma boa performance. Ou seja, o bailarino precisa de : dormir bem, comer com qualidade e periodicidade (não pode ficar muitas horas sem comer), preparação física, treinamento técnico, ensaios, descanso, piscina e tranquilidade...

Já para os espetáculos, precisamos de um chão adequado (não pode ser no cimento), precisamos de lugar para fazermos um bom aquecimento antes de dançar (não pode ser num chão frio), precisamos de um lanche saudável (frutas, suco, pão integral, requeijão, queijo, peito de peru, sanduiche natural, iogurte...). E o palco precisa estar limpo, é preciso passar um pano úmido antes do espetáculo, mas em volta do palco também precisa estar limpo. Durante o espetáculo é importante que a equipe técnica esteja em silêncio.
E há ainda uma série de outros fatores que aqui pelo Brasil já observei problemas... um deles são técnicos que ficam escondidos para ver as bailarinas trocando de roupa nas coxias durante o espetáculo (minha equipe sempre tem o cuidado de tirá-los, mas o absurdo é precisar expulsá-los e ficar vigiando para que não voltem.). Muitas vezes passamos por situações muito desagradáveis com esse tipo de técnico desqualificado. É nojento. E observo isso aqui no Brasil, em muitos lugares onde já dancei. Existem técnicos maravilhosos e profissionais, mas me refiro aos nojentos espalhados por aí. E não só no interior, em Belo Horizonte mesmo, já tivemos problemas.

Bem, dançamos Escapada no Teatro do SESC. Teve pouco público. Uma pena... Viemos de tão longe... Mas o espetáculo foi ótimo!

O André pôde rever seu tia que mora em Boa Vista e já havia 4 anos que não se encontravam! Adoro esses reencontros...

Bom... no segundo dia de espetáculo acordei às 13:00hs, almocei às 14:00hs e fiquei na piscina até a hora de sair. Fizemos Faladores. Foi no dia da mudança nacional da marca do SESC. Foi feita uma festa de comemoração em praça pública. Estava lotado! As duas produtoras trabalharam bem e eram muito educadas... mas o evento era grande demais para apenas duas pessoas cuidarem...
Começamos a dançar às 21:30hs e muita gente já havia ido embora, pois ficou tarde... acredito que ainda ficaram umas duzentas pessoas, mas tinha muito mais gente antes! Pena não termos dançado mais cedo...

No dia seguinte fomos para o aeroporto depois do almoço e pegamos nosso vôo para Porto Velho.

domingo, 9 de setembro de 2012

Pé na Estrada - palco Giratório

E voltamos ao Palco Giratório do SESC!!! Partiremos amanhã para Boa Vista, em Roraima e em seguida Porto Velho, em Rondônia e depois Cuiabá e Florianópolis. Serão mais quinze dias de apresentações, oficinas, conversas e trocas de experiência. Circularemos com Escapada e Faladores.

Malas prontas. Pé na estrada. Todas as datas estão na AGENDA 2012. E quem quiser, pode conferir também o blog da Cia Mário Nascimento que é: www.ciamn.blogspot.com

Temos muitas fotos no facebook para quem quiser ver mais, tanto no meu perfil: Rosa Antuña, quanto no perfil do grupo: CiaMário Nascimento. Deixem seus recadinhos!

Abraços e beijos de luz!!!

O Lago dos Cisnes - Cia Brasileira de Ballet

Foi maravilhosa a apresentação do Lago dos Cisnes, da Cia Brasileira de Ballet, no SESC Palladium, em Belo Horizonte. LOTADO!!! Parabéns Jorge Teixeira! Por um trabalho tão lindo e feito com tanto cuidado e dedicação!Que os patrocinadores venham para você e sua cia, pois o Brasil e a arte só têm a ganhar com isso!

Parabéns a todo o elenco e em especial aos solistas Melissa e Gustavo. Muito refinados. Muito artistas. Jovens talentos com um lindo futuro pela frente!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Aldeia Urbana em Dourados

Tudo começou com Danilo me dando TERERÉ para tomar! - parece um chimarrão gelado. É bem refrescante!

Fomos visitar Jaguapiri e Bororó, que estão dentro da grande aldeia de índios urbana em Dourados. Existem três principais etnias por aqui: Guarani, Caiuá e Terena.

Casa de Reza, que será inaugurada em breve


Fomos recebidos por Floriza e Jorge, com grande delicadeza e simpatia. Eles cantaram uma reza para nós, para nos dar as boas vindas.

Jorge e Floriza, dentro da casa de reza


com Rose, quem nos levou para conhecer a Aldeia

esat é a casa de reza da rezadeira Vitória, fica no Bororó

Vitória e Rose
Vitória, a rezadeira dali. Cantou para nós com tanta alegria e calor... e me deu um brinco lindo de presente!

dentro da casa de reza de Vitória

Mulher Selvagem em Dourados


foto : Guto Muniz


Chegamos em Dourados após quase três horas de viagem e Gil e Danilo já nos esperavam no Hotel com aquela carinha boa de sempre!!!
O Gil é coordenador de cultura da UFGD. E ele que me trouxe para Dourados.
Lanchamos e dormimos.
No dia seguinte cedo Helinho foi para o Teatro para começar a montagem do espetáculo.

Almoçamos num restaurante delicioso e às 17:00hs fui para o teatro com o Mário.

A equipe técnica era toda do curso de artes cênicas da UFGD. E eles ajudaram demais!
Dourados merece uma boa reforma no teatro, assim ele ficará excelente!

Bem, às 20:00hs começou a solenidade de abertura do Festival Internacional de Teatro. Os parceiros, patrocinadores e colaboradores estavam todos lá. Isso é muito importante para fortalecer os vínculos e os ideais em comum para que essas parcerias continuem e possam fazer esse festival crescer e ganhar cada vez mais consistência e amplitude. Após os discursos o espetáculo começou.

Eu ainda fico ansiosa quando vou apresentar este solo. Preciso concentrar muita energia para manter meu foco, atenção e consciência.

E o Helinho e o Mário me ajudam demais! Helinho na luz e o Mário no som e em toda a produção. E foi a primeira vez que o Helinho fez essa luz para mim. O Mário foi dando todas as coordenadas para ele. São aquelas coisas dos bastidores, que só a gente sabe! rsrsrs... Os dois também estavam muito concentrados lá dentro, na coxia, enquanto cuidavam de toda a parte técnica para mim. Eu ali, em cena, sou a ponta de um iceberg! Para cada espetáculo realizado sempre existe toda uma equipe que faz com ele possa acontecer.

Bem, deu tudo certo. Fiquei satisfeita no final. Senti que a "missão estava cumprida"! O público foi muito caloroso! O teatro estava lotado: 400 pessoas. E fiquei muito feliz!!!

E na terça-feira, dia 4, darei minha oficina de Arte-Integrada de 18:00hs às 22:00hs, aqui em Dourados.


Gil querido!!!