"Como ocorria em faladores Rosa Antuña assume um papel específico: além de dançar, canta e balbucia um idioma inventado - como um ser falador. A quem é dado um lugar diferenciado, à altura das ressonâncias e experimentações dos seus, digamos assim, canais de expressão.
Mais que bailarina, uma artista em plenitude" - Miguel Anunciação para o Hoje em Dia - Belo Horizonte

PRÓXIMAS APRESENTAÇÕES E WORKSHOPS

2015
* Belo Horizonte:
- 22 de setembro - CRModa - A Mulher que Cuspiu a Maçã - 19:30h (Cena-Música)
- 20 de agosto - CC Vila Santa Rita - A Mulher que cuspiu a Maçã - 19:00h (Cena-Música)
- 18 de agosto - CCJardim Guanabara - A Mulher que cuspiu a Maçã - 19:00h (Cena Música)
- 17 de julho - CRModa - A Mulher que Cuspiu a Maçã - 21:00h (Cena Música)
- 7 a 10 de maio - CCBB - A Mulher que Cuspiu a Maçã - ESTREIA NACIONAL

* Brasília
- 22, 23 e 24 de abril - Teatro da Caixa - Trilogia do Feminino

2014
* Holstebro, Dinamarca:
- 12 e 17 de dezembro - A Mulher que Cuspiu a Maçã, direção Roberta Carreri - (Núcleo de Criação Rosa Antuña) - Ensaio Aberto - work in progress - Odin Teatret

sábado, 14 de agosto de 2010

Tentativa Frustrada

Fui ao Teatro Marília pra assistir VIDA, uma peça do Paraná que está na programação do FIT. Era às 16:00hs. Cheguei às 16:15 e não pude entrar. "A porta está trancada por dentro", foi o que me disse a funcionária do teatro, muito simpática e chateada pois por ela, eu e outra senhora retardatária entraríamos. Tudo bem. Errada estava eu. Quer dizer que por quinze minutos, ninguém poderia entrar pra não atrapalhar a peça... certo. E a porta estava trancada por dentro... que bom, pois quem quiser então, pode destrancar a porta e sair quando quiser, assim espero! Ou será que não, pois atrapalharia a concentração dos atores você sair no meio da apresentação? Realmente, muitos artistas não permitem a entrada de público após começado o espetáculo. Realmente incomoda, perturba. E aqui no Brasil tem-se o hábito de se atrasar. Mas talvez as peças poderiam esperar um pouco mais pra começar. Ou não. É de cada um mesmo. Os ônibus atrasam, tudo atrasa... o salário. Na Alemanha não. Lá tudo é bastante pontual. Bem, de qualquer forma, em meus espetáculos, a porta estará sempre aberta pra entrar e pra sair.

domingo, 8 de agosto de 2010

Ingressos FIT - aconteceu comigo

Numa bela tarde de sábado fui até 5ª avenida, na Savassi, não em Nova Iorque, comprar ingressos para o FIT (Festival Internacional de Teatro) em Belo Horizonte.
Chego no segundo andar procurando pelo “Ingresso Rápido”, como me foi indicado. Ouço uma música em alto e bom tom: era axé. Pensei : “- Vou passar longe!”, mas não pude fazê-lo, pois a melodia agradável vinha da loja de ingressos. Havia seis pessoas na minha frente. Eram três e meia da tarde. O estabelecimento fecharia às quatro. Demorou até chegar a minha vez, e, enquanto isso não acontecia, a fila foi aumentando. Chegaram mais umas seis pessoas. Eram homens muito alegres e animados, pois iriam comprar seus ingressos para assistir axé. Concentrei-me em meu jornal informativo para conferir as peças que me interessariam ir.
Chegou minha vez.
Comecei a dizer os nomes das peças para as quais eu gostaria de comprar os bilhetes. A simpática atendente, muito íntima, me interrompeu e disse : “- fala direto os nomes dos teatros e não das peças, senão não consigo aqui!”. Percebi que eu estava em outro planeta e seria importante que eu me mantivesse calma e observasse primeiramente os costumes daqueles seres estranhos. “- Pois não – eu disse. Só que eu tinha que ler em uma página do jornal o nome da peça, na outra o nome do Teatro... o processo foi ficando lento no “Ingresso Rápido”!
“- Bem - eu disse - quero ir no Cine Santa Tereza!” Neste momento a atendente fitou-me com desconfiança e compaixão : “- Nunca ouvi falar nisso!” Insisti : “- Cine Santa Tereza. É um cinema que foi reativado e é mais um espaço cultural na cidade.” Ela continuou olhando para mim com descrença. Lembrei-me que eu estava em outro planeta. Respirei fundo e insisti de novo. Finalmente, lentamente, ela achou no computador e acreditou em mim. Pedi-lhe, então, ingressos para o Teatro João Ceschiatti, no Palácio das Artes. Para quê? Ela teve a mesma reação de incredulidade. Nunca havia ouvido falar naquela sala de teatro. Quis me dar ingressos para o Grande Teatro. Expliquei-lhe que aquele era um teatro menor, dentro do complexo da Fundação Clóvis Salgado... mas quanto mais eu explicava, pior ficava a situação! Os seres da fila me olhavam impacientes, o som do axé soava como um bombardeio em meus ouvidos, mas eu queria os ingressos e precisava passar por essa prova para consegui-los e então voltar para o meu planeta onde eu poderia ouvir música.
Demorou muito para que eu conseguisse comprar todos os ingressos que queria. Eu ia pagar com cartão de crédito, daquele que não precisa de senha, mas ela exigiu a senha; paguei no débito com outro cartão.
Acabou. Consegui. Hora de sair daquele estranho planeta axé e voltar ao planeta cultura.
Quando eu estava saindo, a ouvi dizer para a fila restante, em alto e bom tom : “ – Ninguém mais aqui vai comprar ingressos para o teatro não, né? “.

Rosa Antuña.